Consumo Consciente na Cozinha

Por em

Consumo consciente, o objetivo é compartilhar dicas e informações para uma vida mais sustentável em 2009, e porque não, um mundo.

Como o assunto é extenso e aborda todas as áreas, vou trazer para o tema do PratoFundo. Ou seja, comida. Assunto que todos nós gostamos ou ao menos damos alguma importância. Não vou ficar aqui defendendo

Sacolas Retornáveis / EcoBags

Sacola Retornável

Para cozinhar, fazer aquele prato do almoço, da janta ou um ligeiro lanche precisamos de ingredientes para tal. Normalmente vamos em mercados em geral para fazer as comprar e para levar usamos os fadados sacos plásticos de qualidade, e principalmente, durabilidade questionáveis.

Uma solução para isso é o uso de sacolas retornáveis, ou como são mais conhecidas: as ecobags. Feitas dos mais diversos material (algodão cru, garrafa pet, plástico de plotagem…) com uma durabilidade bem maior, além de poderem ser usadas mais de uma vez.

Em casa temos praticamente coleção delas, confesso que usamos menos do que o ideal. Mas usamos! Prefiro sempre as do tipo “padeiro” (é mais comprida do que larga), sabe como é que é… pega menos mal! Pois quase todos os modelos são pensados no público feminino, tudo bem que é a grande maioria. Mas… poderiam pensar em nós, homens também! heheheh

Espero que não seja apenas “moda” passageira e que fique. Já existem mercados em São Paulo e Rio de Janeiro que não fornecem mais ou a sacola de plástico é cobrada, como em alguns países lá fora. Então, adaptar-se agora seria bem mais interessante.

Produtos Locais

Grape Tomatoes at the Farmers Market por Jill Clardy
Foto de Jill Clardy

Existem várias discussões em torno disso, vamos deixar a parte chata de lado. A dica é comprar ingredientes que tenham viajado menos, sem uso de agrotóxicos se possível (orgânicos ou não) e principalmente inserido numa cadeia de produção justa e sustentável.

Quanto aos orgânicos direi pouco, pois quero estudar mais do assunto. Entretanto, o que é importante dizer é: selecionar o que comprar. As empresas não acordaram um belo dia e disseram: “Oh! Vamos mudar os produtos para orgânicos pelo bem do planeta e da população”. Por que empresa é pessoa jurídica, ou seja, não é boa nem ruim, apenas segue o mercado.

Produtos da Estação

Produtos

Um complemento para dica acima, comprar produtos da época! Por que são mais baratos (lei da oferta e da procura), no ponto ideal de consumo e deve estar mais suculentos.

Na Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) tem a tabela de Produtos da Época (em .PDF) que indica o que escolher durante os meses do ano.

Não pense que isso é besteira, pelo contrário! Na grande maioria dos grandes restaurantes o cardápio muda de acordo com a estação para aproveitar o melhor dos produtos.

Como podem ver não são dicas de outro mundo e nem respondem as duvidas existenciais dos seres humanos, são detalhes simples que se observados de perto podem, juntos, fazerem a diferença.

Compartilhe!

Dicas de Compras

O dilema do onívoro
Brasil a Dois: Encontro da Gastronomia Catalã com a Brasileira
100% Prazer – Lanches
Receitas com Ovos

Confira toda a ESTANTE!

7 Comentários (Deixe o seu!)
  1. Sem Avatar Ellen:

    Há quase dois anos compramos uma “cesta” de produtos orgânicos. Até tentamos largar um tempo por causa do custo e a grande quantidade de alimentos (somos em apenas 3 que só jantam em casa). Não conseguimos. Foi um prazer redescobrir o sabor de legumes, frutas e verduras. Uma das mais surpreendentes é a batata. Tudo é “mais gostoso”. De quebra consumimos apenas aquilo que é produzido na temporada e a certeza de contribuir para o meio ambiente.
    Em relação às Ecobags, já as uso há bastante tempo. E só a partir do momento que as sacolas no supermercado forem cobradas, o consumo irá diminuir.

  2. Vítor, otima iniciativa de voces. Só nao sei o que é garrafa pet.

  3. Sem Avatar Nina:

    Respeitar a sazonalidade! Sempre digo isto aos meus alunos!
    bjo
    P.S. No caderno paladar de hoje saiu uma matéria sobre presentes para gourmets! Você previu…rs

  4. Sem Avatar karaimame:

    Vixe.. se eu respeitar a sazonalidade aqui, ficaremos a base de rutabaga, pastinaga e batata :).
    Mas tentamos na medida do possível apoiar a produçao local, orgânica.
    As ecobags sao nossas favoritas. Temos umas 6 de algodao e duas sacolinhas térmicas reutilizáveis (laváveis) para carregar refrigerados. E, nao deixando de comentar a “corônia”, ôÔ Vitor!! Esqueceu de mencionar nosso querido Furoshiki!! Tem até a campanha “Mottainai Furoshiki” (http://www.env.go.jp/en/focus/attach/060403-5.html). Eu acho muito “style” , até uso como bolsa normal :)
    Muito bom seu post de hoje, vou passar para todos que eu conheço lerem e se conscientizarem.

  5. Bom, eu uso sempre sacolas retornáveis e sempre compro produtos sema grotóxicos, por isso vou muito ao mercado municipal, que tem mais variedade.

    Mas eu vi um debate sobre as sacolas retornáveis e surgiu um questionamento muito legal, que é: Sem as miseráveis sacolinhas de mercado, teremos de comprar as sacolas de lixo e jogar no meio ambiente, ou seja, não mudaria nada e nós pagariamos para isso. Sendo assim, algo que seria de maior ajuda seriam as sacolas biodegradáveis, que são disponíveis em alguns lugares, pois além de você continuar jogando seu lixo com elas, elas não ficam tanto tempo no meio ambiente, certo? Pelo menos é o que eu penso, mas enquanto não temos sacolas biodegradáveis, eu uso as ecobags e às vezes pego as sacolas de mercado para fazer de lixo, né?

  6. @Ellen: concordo, quando mexer no bolso é que a massa da população irá entender. Infelizmente, somente assim.

    @Valentina: Garrafa PET são as garrafas de refrigerantes, água e etc. O PET vem de politereftalato de etila que é o nome do “plástico” em questão. Aqui no Brasil a gente chama assim, heheheh.

    @Nina: aaaaaaeeee! Então, não valei besteira! Sério que saiu no jornal? hahahah

    @karaimame: uahuahuahau, já pra fazer bastante coisa! Só a variedade que será pequena, heheheh Furoshiki salva a vida! Sempre uso também, hahahah

    @Vianna: Em tese, não. O seu raciocínio é correto, entretante, não inclui a reciclagem. Virtualmente, o lixo doméstico é quase todo reciclável. Assim, você não precisaria das sacolas dos mercados. Está certo que o Brasil está longe de ser exemplo em reciclagem (no caso de alumínio é, heheh), mas temos que pensar no contexto geral. Num dos mercados aqui da cidade, a sacola diz ser biodegradável. Até aí tudo bem, “tudo” pode ser biodegradável. A grande questão é: quanto tempo demora para ser consumido pela natureza? Isso a sacola não diz… o que adianta ser biodegradável se vai demorar vários anos para isso?
    Hey, que mancada! Vocês são de Curitiba e nem quiseram me encontrar! hahahahah

  7. As sacolas ecológicas são muito femininas? Nunca tinha pensado sob este prisma, mas é verdade. Deve ser por isso que meu marido as evita… kkkk. A Paula, do Rastro de Carbono, indica umas sacolas bem legais e que são reforçadas e menos femininas. E eu comprei num hipermercado em Curitiba (onde as sacolas já são oxibiodegradáveis há um ano) umas sacolas bem boas de algodão.
    Gostei muito da dica dos produtos da estação. ;)
    Obrigado por participar da blogagem coletiva e um feliz ano novo. :)

Comentários fechados no momento. Caso queira, entre em contato.

«

»