Receita : Sal & Pimenta

Bori-Bori

Por em | #6

Bori-Bori

Este prato foi o escolhido para que minha amiga Milena e eu fizéssemos nas etapas finais do curso. Listei ele como uma das possibilidades por suas características: fácil, rápido (suja uma panela só, hahahah) e barato (sabe como é, a escola não abre a mão para nada). Tirando um ingrediente ou outro, todo o restante a gente tem em casa ao alcance das mãos, não? A receita original é do livro “Pantanal – Sinfonia de Sabores e Cores” (editora Senac) que tem a mão da prof. Chef Celeida Barbosa (que foi minha professora neste último módulo do curso).

Bori-Bori é um prato da região pantaneira e de fronteira, e se não me engano em Góias também é conhecido (a prof. comentou alguma coisa, mas minha memória não é tão boa assim). Bori-Bori é um prato a base de frango e fubá… e só! =D É simples, mas super gostoso! Confesso que não tinha dado lá muita bola, porém quando pronto… simples e muito bom. Eu gostei, =D Espero que gostem também.

Grau de dificuldade: com uma mão amarrada nas costas.

Ingredientes

  • 1 frango cortado em pedaços
  • 2 cebolas bem picada
  • 3 dentes de alhos espremidos
  • ½ xícara de óleo aproximadamente (usei um pouco de manteiga também)
  • Água para o caldo
  • Opcional: 1/2 colher (sobremesa) de açúcar para dourar, 2 limões para temperar, salsinha e cebolinha picadas para decoração

Para os bolinhos

  • 3 xícaras (chá) de fubá de milho branco ou amarelo (usei o amarelo. Observações no modo de preparo)
  • 1 xícara (chá) de queijo (bem) ralado
  • Sal à gosto

Utensílios: caçarola grande, ralador ou processador.

Modo: quando fiz o prato usamos o frango estava inteiro, logo, tivemos que cortá-lo. Pode-se cortar a “carcaça” que sobra (removendo a gordura excedente) ou congelar para fazer caldo. Mas nada impede de comprar a penosa já em pedaços. Com os pedaços em mãos temperei com dois limões (isso foi alteração minha, na receita original não tem), sal e pimenta à gosto.

Com a caçarola no fogo, coloquei um pouco do óleo e uma (+/- uma, só para dar um gostinho) colher (sopa) de manteiga no centro e ao redor o açúcar. Esperei que o açúcar derretesse e acrescentei a cebola para dourar e caramelizar. O ideal é ficar com uma cor bem dourada mesmo, após pode colocar o frango e o alho. Se necessário coloque o restante do óleo e deixe fritar/refogar bem! Tem que ficar douradinho, douradinho! :)

Acrescente água o suficiente para cobrir os pedaços de frango. O importante é que tenha no final por volta de 2 litros de caldo, ou até um pouco mais. Por que iremos usar um pouco desse caldo de frango para fazer os bolinhos de fubá. Ah sim, durante o cozimento, deve-se acertar o tempero, sal, pimenta e outros condimentos ao seu gosto.

Para os bolinhos: misture o fubá peneirado, o queijo bem ralado (ralo fino ou processado mesmo), sal* e um pouco do caldo (o formado no cozimento do frango) só para dar liga na massa e poder enrolar, coloque aos poucos e teste. *Cuidado com o sal, pois dependendo do queijo usado pode ser que fique muito salgado! O queijo que tínhamos a disposição era queijo caipira e estava bem salgado! Assim, nem colocamos sal nos bolinhos. Outro detalhe é que, para a quantidade descrita foi muito fubá para pouco frango… quer dizer, sobrou dessa massa de bolinhos. Creio que duas xícaras são o suficiente. Ou então, mais frango! =D

Para saber se o bolinho deu o ponto, faça um e coloque no caldo para cozinhar. Se ele não desmanchar é porque está bom!

Finalização: na panela do caldo, arrume os pedaços de frango num canto ocupando o meio da caçarola. No outro lado, coloque com cuidado os bolinhos parta cozinhar (no caldo) ligeiramente sem mexer. Ao servir arrume em uma vasilha funda o frango de um lado e os bolinhos de outro. Regando com caldo que restou. E por cima, salsinha e cebolinha picadas.

E para dar um tchan a mais na hora de servir, pode deixar a parte um pouco de queijo ralado (grosso) para jogar por cima. =D

Compartilhe!

Cursos

Estágio numa cozinha à la carte

Por em | #8

Quem acompanha desde o começo do ano a minha saga pelo curso de cozinheiro do SENAC/MS já sabe que semana passada foi a época do temido – e último – estágio do módulo Cozinheiro. E graça ao cosmos (ou deveria dizer, alguns contatos influentes, heheh) cai num dos locais de estágios mais concorridos dentro do curso. Isso que eu tinha certeza que iria para o estabelecimento mais muxibento da cidade devido ao meu gênio um pouco tempestuoso com pessoas que eu não gosto, digamos.

Nada de porções ou coisas do tipo! Gastronomia internacional, pratos individuais, empratados, decoração… e produtos de primeira. Já sabia que o lugar seguia a cozinha clássica, ou seja, a francesa. Mas nunca ia imaginar que iria ver ao vivo e a cores um magret de canard (filé de peito de pato) por essas bandas de cá e também carré de cordeiro, que só tinha visto em foto, aliás, ambos. Não poderia esperar menos, sendo que o restaurante é de um chef francês.

O filé é um choque para alguns conceitos de carne de aves por ser vermelha e não branca. Ok, a de avestruz também é vermelha. Mas não sei, pato se assemelha mais a um frango do que o avestruz, não? E a capa de gordura… tem muita gordura mesmo! Não é à toa que se usa a gordura de pato para se fazer confit (preservar comida em algum tipo de substância, no caso a gordura). E o carré, é tão legal os ossinhos. Um primor na apresentação.

Carne, só filé mignon. Peixe? Claro! Robalo, haddock defumado, salmão e pintado já tirado os filés bem generosos. Nada igual ao que foi usado na aula em que o salmão já tinha passado da missão de 6 meses… =x Molhos de verdade, nada de caldo em pó. Tudo feito com fundo mesmo.

A cozinha mesmo não é nada fancy, mas funciona bem. Só alguns detalhes poderiam ser mexidos para deixá-la mais funcional e ganhar tempo.

Ah, tomates me perseguem! =O

Onde eu fiz o estágio? =D

Esse Restaurante – Cozinha contemporânea por chef Jean-Charles
Rua Euclides da Cunha, 752 – Jd.Estados
Telefone: (67) 3325-8883
Campo Grande – MS

Esse Restaurante

Compartilhe!

Cursos

Cozinheiro: Semanas #28, #29 e #30

Por em | #1

Post 3 em 1! Deveria ser tudo separado, mas estas últimas semanas do curso foram corridas. Numa foi aniversário, noutra evento e nesta terminou as aulas e começou o temido estágio. E desta vez não irei me alongar muito… pretendo.

Semana #28

  • Foi semana de empratados, mas consegui tirar foto de um só… o qual, eu esqueci o nome.. =x Mas foi nesse que tive a oportunidade de experimentar aspargos brancos em conserva. Diferente, não é ruim… não tenho nada na memória que lembre o gosto. Agora falta $coragem$ para comprar os frescos.
  • Ah, teve uma moqueca de camarão… bom, uma leve e vaga lembrança de camarões. Quem faz as compras dos produtos para a aula foi expert em escolher os menores espécimes. Sorte que frutos do mar não são os meus preferidos.
  • Também teve mais sobremesas, mas apenas a torta de maracujá-limão ficou apresentável… como não tinha mais suco de maracujá tivemos que usar uma geléia “super-boa” da fruta e para dar um tchan colocamos o sumo de alguns limões. A torta farofa esvaeceu-se antes mesmo que eu pudesse cogitar a idéia de foto, até que não foi ruim… ela ficou muito mole, a receita era da “super-mega-plus boa” (percebam a alta ironia) apostila que nos foi dada no começo do curso (a qual a minha foi surrupiada de dentro do meu armário)
  • Mas tivemos algumas flores! Foi aniversário da professora e a turma a presenteou com uma caixa com flores e algumas ervas frescas de Miss Milena.

Semana #29

  • Semana das conservas! Chutney, relish, geléias e pickles. Produtos simples, porém com várias etapas para eliminar o risco de contaminação. Exige-se algum tempo hábil e estrutura para tudo saia da maneira correta.
  • Chutney (o de manga mesmo) foi uma descoberta! Gostei muito, nas festividades do fim do ano devo fazê-lo! =D
  • Relish de abacaxi uma ótima sugestão de entrada, mas não sei o porquê encuquei que deve ser servido em “dias” quentes. Será devido o frescor do abacaxi?
  • Chili Salsa! Pimenta por todo o ser, extremamente picante. Num sanduíche deve ficar o bicho.
  • Geléia de hortelã. Provada sozinha lembra aquelas balas de menta, sabe? Só que salgadas. Porém, junto com uma carne… por exemplo, t-bone de carneiro (foi com esta que provei) harmonização no ponto. Vale a pena.
  • Casca de laranja cristalizada. O método ensinado não difere tanto no qual eu faço, só na parte de cristalização que mudou um pouco, e justamente neste ponto que se explica o porquê delas serem caras. Maior trabalho, heheheheh.

Semana #30

  • Formamos duplas e cada uma seria responsável por uma receita. A receita escolhida foi Bori-Bori, um prato regional, de frango com bolinhas de fubá e queijo. Irei postar a receita logo, logo.
  • Também foi a última semana de aula! E no último dia mesmo fizemos um mega jantar com tudo que se tem direito, hohoh Comida para dar de balde e não sobrou nada (né, mas como eu já disse antes e repito: paladar zero). Conservas, carnes, carpaccio, massas, pães, sobremesa.

Aqui termina as peripécias do curso, digo, das aulas. Dia 11/09 é quando entregamos a ficha do estágio e dia 14 (talvez) já terei pego o certificado.

Compartilhe!

Mini-Abóbora

Por em | #5

Mini-Abóbora

Pequena no tamanho, grande na boniteza e no preço! Caso não me engano estava r$35 reais o quilo. E não, não comprei. Ou era a outra abóbora? Interessante por demais o preço. Mas já iamginou servir carne seca com abóbora de forma individual nelas? Humm…

Compartilhe!

Livros

Livros: O Grande Livro de Receitas

Por em | #2

O Grande Livro de Receitas

Para aproveitar uma compra de outros livros e ganhar o frete juntei a minha listinha o livro citado. Já havia o visto no blog do Katsuki-sama, além de ter dado uma olhada certa vez na livraria local. Lembro até que me assustei com o “edição de bolso” impresso na capa, pois de bolso não tem nada!

O livro é tradução literal do que está escrito na capa sem tirar nem por. Mas o grande diferencial é que mais de 90% das mais de 600 idéias que o livro apresenta possuem fotos de excelente qualidade.

Algumas receitas são um pouco diferentes.. como o sorvete de parmesão (mas eu gostaria de saber com o que poderia combinar….), o prato com faisão (desculpa que não sou chique ao ponto de ter faisão na despensa.. hahaha). Quero testar a receita dos biscoitos de Amaretti (com base de amêndoas).

Um livro totalmente sem pretensão nenhuma, o vejo como uma fonte de inspiração quando não se sabe bem o que quer cozinhar e comer. Uma excelente sugestão para se ter e de presentear aquele seu amigo/amiga amante da cozinha! :)

O Grande Livro de Receitas
Editora Ediouro
r$49,90 (média)

Compartilhe!

Páginas 1 2 3 144 145 146 147 148 149 150 153 154 155