Anos 80, Vai Uma Raspadinha Aí?

Dando uma geral de começo de ano na cozinha, não mais que de repente, me deparo com este artefato do século passado! Provavelmente é dos idos da década de 80, mas creio que seja mais antigo! Quem tiver menos de 20 anos, certamente, não saberá o que é e quem souber entrega a idade fácil, fácil.

Máquina de raspar gelo do tipo raspadinha da década de 80

O nome real do utensílio eu não tenho ideia de qual seja, e nem como a gente chamava na infância. Seria, talvez, raspadinha mesmo? Ou raspador? Está em perfeito estado e funcional, mas mesmo assim não possui nenhuma marcação de quem era o fabricante. Estava com medo da lâmina estivesse enferrujada, mas o padroeiro dos cozinheiros é forte (pra mim, é São Lourenço) e não deixou que isso acontecesse.

Este raspador azul calcinha e, agora, bege serve nada mais nada menos para fazer raspas de gelo! Ao girar a manivela superior, os cubos gelo são prensados contra a lâmina que produz finas camadas de gelo. Pode ser que lembre neve, mas como nunca experimentei-a, fica apenas na imaginação.

Depois da quantidade desejada feita era só desejar xarope de groselha mega doce e artificial, nostalgia pura. Alto grau de comfort food. Algumas versões podiam ser acompanhadas de leite condensando também, além de outros xaropes.

Raspadinha, gelo raspado, com groselha

Lembro-me que na época de escola, sempre na saída, tinha o tio do algodão doce, do biju e da raspadinha. Ah, que tempos bons quando não se tinham radicais (e neuróticos-no-mau-sentido) que implicavam com tudo, né? Alguns anos atrás existiu (ou ainda existe?) uma franquia que vendia algo parecido dentro de shoppings, era um quiosque nas cores americanas (azul, vermelho e branco).

Trazendo a ideia para o presente, ao invés do gelo ser apenas água poderia congelar a base de um sorbet e raspá-lo, não? A textura iria ficar diferente, acredito. Durante as férias, testei uma receita de um falso sgroppino: uma calda de limão sem vodka e prosecco transformada em “flocos” usando um garfo quando estivesse semi-congelada, então, acrescentava no creme de leite em ponto de chantilly. Modificando o processo, creio que o meu falso sgroppino fique mais interessante.

E você, a sua cozinha tem algum brinquedo nostálgico? :)

Raspadinha, gelo raspado, com groselha em destaque

Oi, Eu sou o Vitor Hugo!

Cientista e Cozinheiro que juntou duas paixões Ciência e Comida: a melhor combinação que existe! Diferente, né? Vem saber mais…

Deixe um comentário

Por causa das mudanças de privacidade feitas na Comunidade Europeia, o seu comentário não irá aparecer imediatamente, caso a opção de salvar os dados não for marcada.

Seu email não será publicado. *Campos obrigatórios.

23 Comentários (Deixe o seu!)
  1. Anos 80, Vai Uma Raspadinha Aí?: http://t.co/1yXe3qZa

  2. Nossa! Lembro muito dessa maquininhaa, PENA QUE NUNCA TIVE UMA! SNIFF! mas invejava minhas primas por ter uma dessas, lembro tambem que a maquina d sorvete tinha que por sal pra fazer o preparado de leite e nescau ops falei a marca, uhauhah para poder transformar o preparado em “sorvete” AI AI doce lembranças!

  3. Noooosssa, eu tinha uma IGUALZINHA!!!!!!! que inveja sua…. a minha provavelmente já se foi… mudanças, separação dos pais etc e tal…. Mas lembrar tb é bom!!!! Abs

  4. Nossaa Vitor que época boa você me fez lembrar agora!Eu tinha uma máquina de raspadinha! Era rosa com amarelo e funcionava a pilha,minha mãe comprava groselha sempre pra colocar nas raspadinhas e eu adorava chamar minhas amigas para brincar e a gente passava a tarde tomando raspadinhas!!
    Adorei lembrar!!
    bjs

  5. vitor, que demaaais essa maquina. muita sorte achar uma na limpeza da cozinha, hehe. queria que isso tambem acontecesse comigo, mas nunca vi uma dessas na minha familia. tem o logo do fabricante na manivela (1a foto) mas nao reconheco. ah, e antes de ir, meu brinquedo e a sorveteira usada japonesa que comprei na liberdade http://www.superziper.com/2009/09/fazendo-sorvete-em-casa.html
    bjs

  6. q post legal!!!!! :) adorei!

  7. EU PRECISO DE UMA DESSAS!!!

    Será que vende em algum lugar? Preciso disso pra fazer Mint Juleps.

  8. huumm..com leite condensado fica melhor ainda!!!
    lembro que sempre tomava no colégio!

    beijoos

  9. Victor,

    Que lindo esse raspador! Eu sempre procuro algum canto aqui na minha cidade para poder tomar uma raspadinha, mas nunca encontrei!
    Na minha cozinha não tem brinquedo nostalgico, mas sim alguns intensílios do enxoval da minha avó. É interessante pensar em toda história que eles já viveram antes de chegar nas minhas mãos.
    Tenho um escorredor de macarrão muito antigo… e impecável!

    Olha… gosto muito do seu blog. Já adicionei entre meus favoritos. Seria um prazer tê-lo como meu visitante.
    Passa lá depois!

    Grande beijo

    Larissa Bolson Maia

  10. ‘Direeto do túnel do tempo!’
    Eu confesso, me deliciava com raspadinha qdo era criança!
    E lembro, uma vez, minha mãe horrorizada com a empregada de casa, que dizia que fazia raspadinha pros filhos raspando o gelo das paredes do congelador!

    Se groselha já tem cheiro de infância, raspadinha então nem se fala…

  11. Nossa, raspadinha!!! É da minha época também… ahaha
    Lembro que uma prima tinha uma máquina de brinquedo de fazer raspadinha e a outra tinha de sorvete… o meu era pipoqueira e nem funcionava direito! =/
    Vi no Japão uma máquina de raspadinha da Hello Kitty, mto fofa… mas não ia caber na mala! ahaha

  12. Hugo, 1º parabéns pelo seu blog, é uma delícia.
    Tenho um quebra nozes italiano do meu bisavô.
    E uma tesoura de cortar peru antiquissima.
    Quero um troço desse de raspadinha.
    Te linkei no meu blog…

  13. Eu tinha duas máquinas – uma vermelha e outra amarela. Nem sei que fim levaram as coitadas. Mas era muito legal poder fazer raspidinha em casa, sem ter que encarar a viagem até a Liberdade – que ainda tem na feira de domingo, com leite condensado e tudo mais.

    Mas o bom mesmo é a versão do Bueno, com cachaça ;D

  14. Para os saudositas que almejam a máquina, encontrei uma versão manual/barata no ML, e uma modernosa.

    De utensílio antigo – mas que acho que ainda vende – tenho uma panela para fazer pipoca. Na tampa tem uma alavanca que girando-a, mexe o milho no fundo da panela.

  15. Vitor, amei essa hora de nostalgia.
    Não conheço essa máquina, mas adoro raspadinha com groselha.
    Por falar em groselha é verdade que a groselha Milani não existe mais? -ainda lembro da musiquinha – xiii revelei a idade :)

  16. Que saudade que deu agora, Vitor!

  17. Raspadinha é mega bom! Tenho também a máquininha de fazer chocolate, me divertia horrores. Em Embu (das artes..) aqui em SP tem uma barraca de raspadinha com trocentos sabores, coberturas e afins. Hum….

  18. UAU… suuuuper AMO raspadinha… mas nunca tinha visto um aparelhinho como esse… que invejinha hahahaha

  19. puts meu – a gente TINHA isso em casa e eu ainda to procurando mimimimimi

  20. Então… essa maquininha eh o bixo, o ouro. Em 2008 assisti a um workshop do Jordi Rocca em que em uma das preparações tinha um granizado de bergamota… uma delicia. depois fui fazer a sobremesa em casa e morri raspando o tal gelo de bergamota, se eu tivesse uma maquininha anos 80… Fica delicia , fazer de sucos naturais e agregar em sobremesas.
    bjs

  21. Hehe adorei, queria ter uma maquina assim x)
    Quando era criança sempre que ia ao shopping comprava raspadinha de groselha, mas agora não tem mais..
    nem a vendinha de pipoca e de amendoim.

    D= acho que as pessoas preferem mais refrigerante agora.

    Ah, sim tenho uma forma bem antiga, de.. pretzos, (acho, não sei com se escreve pq nem tem para vendar por aqui), mas normalmente é ventido junto com churros.

  22. você tem uma máquina de raspadinha, te invejo profundamente!! domingo estive na unicsul da zona leste aqui em sp, e na cafeteria deles tinha uma máquina gigante girando o gelo já com a groselha. raspadinha industrializada, não tinha o mesmo sabor da infância. (não tinha mesmo, pq eu experimentei. talvez faltou o leite condensado, mesmo!! xD)

  23. Tenho 19 anos e tenho uma máquina de raspadinha! hehehe era da Eliana, eu acho. Algo assim… eu adoraaaava! Principalmente a versão com leite condensado! Eu ainda tenho máquina de fazer chocolate – uma panelinha que esquenta muuuito pouco e demora horas pra derreter chocolate. e acompanhava mil forminhas e palitinhos. Além das máquinas do polishop, que eu torturava meus pais pra comprar… de pipoca, de sorvete… Hahaha! Beeijos