Mocotó

Mocotó: Carta de Cachaças

Quem gosta e vai atrás de assuntos sobre comida já deve conhecer o Mocotó de nome, ao mesmo, restaurante de comida brasileira/nordestina comandado hoje pelo chef Rodrigo Oliveira. Moças (e moços) se contenham!

Já estive lá outras vezes, na verdade, duas. Apenas. O que é uma pena, sempre que consigo ir para São Paulo sugiro para os amigos da comida irmos lá. Gostei da primeira, continuo gostando na segunda.

Mocotó

Muitos podem achar que é uma comida simples, sem complexidade. Bom, dentro da minha visão só existem dois tipos de comida: a ruim e a boa. E para mim, a do Mocotó é da boa, e muito. Quanto a complexidade, existe sim. Já assisti a explicação do Rodrigo junto com o seu fiel escudeiro (Julien Mercier) de como é feito o torresmo do Mocotó. Possui tanto pensamento e técnica por trás, sim, num dos petiscos mais usuais brasileiros.

Sabe o que é provar um prato e só ir comê-lo, de verdade, quase 2 anos depois? Então, isso foi o caso das Asinha de Pintado. Você vai comendo, comendo, bebericando aqui e ali. Quando vai ver, já acabou!

Mocotó

Já peço desculpas pelas fotos meio tremidas… sabe como é, uma caipirinha de maracujá com a francesinha já faz milagres. E ainda mais acompanhados de comparsas do #vaigodinho que gostam de beber, já viu. Ah sim, francesinha é um preparado de cachaça com favas de baunilha. Em drinks é ótima, pura, melhor ainda.

Desta vez consegui comer outros pratos, como a mocofava e os escondidinhos.

Mocotó

Parece grande, mas era o mini mesmo. Quentinho, cremoso…

Mocotó

Como não poderia deixar de ser, sobremesa! Já que estava lá mesmo… as tradicionais continuam lá o sorvete de rapadura, mousse de chocolate e cachaça. Mas desta vez provamos as novidades Bolo de Chocolate com Cupuaçu e Castanha-do-Pará, Cartola de Engenho e Crème Brûlée de Doce de Leite e Umburana.

Entre os três, foi o meu preferido. Crème brûlée já é bem bom por si só (quando bem feito, né) somando com doce de leite? Podia ser um desastre ou o ápice, pelo contrário foi um acerto em cheio. Ficou bem na linha de doces que gosto, ou seja, tem açúcar, tem nuance, além de ser gostoso pacas. E foi inspirado pelo chef Julien Mercier.

Mocotó

Acredito que vale muito a pena a ida. Sugiro que vá com mais gente, para dividir os pratos. A porção é farta, sem falar que assim se consegue experimentar mais, né. Ah, se puder chegue cedo. Sempre fui nos fins de semana, enche bem com fila e tudo. E mesmo assim, ninguém da casa fica pressionando para que você vá embora.

Para encerrar a viagem, melhor do que isso… só a próxima ida. :)

Serviço
Mocotó – Restaurante e Cachaçaria
Av. Nossa senhora do Loreto, 1100 – Vila Medeiros / São Paulo [Mapinha]
Preço médio: R$60

Artigo por: Oi, Eu sou o Vitor Hugo!

Farmacêutico, Produtor Gastronômico e Comunicador de Ciência de Alimento. Uma combinação diferente, né? Vem saber mais…

Fez ou tem uma dúvida sobre a receita? Comente!

Por causa das mudanças de privacidade feitas na Comunidade Europeia, o seu comentário não irá aparecer imediatamente, caso a opção de salvar os dados não for marcada.

Seu email não será publicado. *Campos obrigatórios.

5 Comentários (Deixe o seu!)
  1. Vitor, toda vez que venho aqui me impressiono com sua maneira tão simples e ao mesmo tempo tão envolvente de escrever sobre alimentos, parabéns mais uma vez e sucesso sempre!

    Nereime

  2. Já sei onde ir comemorar meu aniversário.

  3. Muito bom, pois receitas nunca são demais e iguais.

  4. concordo, mocotó e divino “@pratofundo: {[email protected]} O que falar do Mocotó? http://t.co/qCqTZVwU

  5. Muito tentador… está anotado para próxima visita à minha saudosa terra da garoa….bjinhos!!!