Doçura dos cítricos

doçura dos cítricos

Há muito tempo queria testar esse… acabamento? Ou podemos dizer petisco adocicado? Bom, na verdade foi uma sucessão de conseqüências que me levaram a fazê-lo.

Tinha adquirido um desses descascadores/raspadores de limão no mercado. Até aí tudo lindo, pensava eu. Acrediatava piamente que iriam sair lindas tiras uniformes, praticamente o corte à Julienne. Doce engano. A traquitana não serviu para quase nada. Só funcionou para o limão siciliano, para o nosso limão-lima taiti passou longe e com a laranja, tadinha. Ficou toda mutilada.

Não é bem uma receita propriamente dita. Usei como base as instruções no Le Cordon Bleu: Sobremesas e suas técnicas, e alguns equívocos do livro é que nem todas as dicas são acompanhadas de medidas! Então, a gente faz o que pode, não? E também, vasculhei a rede, mas a grande maioria dos resultados apontavam para cascas cristalizadas que utilizavam a parte branca, detalhe que eu não queria, assim, foi um mix de tudo um pouco. :)

Grau de dificuldade: docinho, docinho. Mas cuidado com a faca afiada, hein?

Ingredientes

  • Laranjas-pêras: usei 4
  • Limão siciliano: usei 1
  • Limão-lima taiti: usei 2
  • Água
  • Açúcar (o caso, usei o refinado)

Utensílios: faca sendo afiada (é, mas não me vá usar um cutelo! Er.. se tiver habilidade, que sou eu para criticar, né? hehehe), caçarola média, fogão, assadeira, papel manteiga.

Modo: lave muito bem as frutas, todas. Agora que vem a parte delicada e exige um certo grau de paciência… bom, se o descascador de frutas cítricas que deveria tirar finas tiras da casca tivesse funcionado ia ter sido mamão com açúcar, mas não foi isso que aconteceu. Então, descasquei com a faca da melhor maneira para que fosse possível posteriormente cortar à Julienne.

Algumas frutas foram machucadas, ou seja, parte branca ficou na casa. Nesses casos, retirei como pude essa parte, pois ela é a responsável pelo sabor amargo. Tudo cortado em tiras? Coloque na panela e água até cobrir, apenas. Deixe ferver em fogo médio.

Por causa da etapa anterior (da parte branca), a água desse primeiro cozimento foi desprezada. Acrescente mais água até cobrir e deixe cozinhar ate que amoleça em fogo baixo. Feito isso acrescente o açúcar, para essa quantidade de cascas utilizei 1 xícara e meia.

Deixei levantar fervura e cozinhe até que reduza quase toda a calda que fica bem espessa. Forre a assadeira com papel manteiga e com o auxílio de um garfo retire as cascas da calda, pode ser que esteja tão viscosa que não desgrude das cascas, assim, o papel pode ficar um pouco melecado demais. Mas antes de trocá-lo, polvilhe açúcar sobre as cascas e mexa-as para que ele seja agregado.

Por fim, espere que esfrie para que ganhe rigidez e armazene em pote seco e hermeticamente fechado.

Nas instruções dizia que ficava crocante, as minhas ficaram super tenras! Uma belezura que só, você come uma, come outra e não quer parar mais. E mesmo sendo feito uma escaldada, as cascas permaneceram com seus sabores e aromas originais, a do siciliano dá de 10 a zero nessas balinhas, heheheh.

Deixe um comentário

Por causa das mudanças de privacidade feitas na Comunidade Europeia, o seu comentário não irá aparecer imediatamente, caso a opção de salvar os dados não for marcada.

Seu email não será publicado. *Campos obrigatórios.

6 Comentários (Deixe o seu!)
  1. @Verena: uia, por muito pouco eu também não fiz com ponkan/mixirica (mexirica?)! Eu estava no meio do caminho da receita quando me chega um monte delas aqui em casa! Putz, esqueci totalmente de fazer no chocolate, deve ficar uma delícia! Agradeço a sugestão! =D E seja muito bem-vinda aqui no Prato! =)

    @Dadivosa: prendado nada! Diria persistente! heheheh Sabia que a a toalhinha iria ficxar meio ‘batida’, hahaha Mas ela é tão legal. Dá um ar brejeiro, de cozinha, não sei. Ganhei da Faby, por causa do amigo secreto, o meu presente veio enrolado nela! hehehe

    @Elvira: humm… tajines marroquinos! Deve ser interessante! Mas eu não tenho idéia do que seja! hehehehe Paciência é um virtude.. que eu tenho só quando quero, hahahahah

    @Cláudia: eu.. eu nada, minha irmã comprava numa loja alemã da minha cidade natal, mas eram meio caras! hahahah Mas boas. Agora só farei em casa mesmo, heheh. E seja bem-vinda e agradeço o comentário! =D

  2. Eu também amo essas casquinhas açucaradas. Sempre as compro no Empório Santa Luzia, em São Paulo. Agora já sei fazer, muito legal.

  3. Essa delícia é bastante usada em tajines marroquinos. Tanta paciência que você tem para preparar coisas tão boas e sofisticadas! :-)

  4. Muito prendado mesmo! Eu já teria arrancado os dedos fora hahah. Vitor, há tempos quero comentar uma coisa, estou amando essa toalhinha xadrez, virou sua marca registrada :D

    Beijos

  5. Vitor,
    essa receita é uma delícia mesmo! Minha mãe sempre fazia com cascas de Ponkan ou mexerica daquelas da roça bem amarelinhas, sabe? Fica maravilhoso! Eu já inventei mil modas com elas: colocava na xícara de café para dar um gostinho diferente, já usei no brigadeiro, já comi até pura como sobremesa quando a vontade de doce bateu e não tinha. Fico imaginando que delícia seria molhar no chocolate meio amargo derretido e deixar secar…hummm!
    Para ficarem mais sequinhas deixamos secar ao sol por uns dias cobertas por uma peneira ou tela.
    Um abraço.

Trackbacks/Pingbacks

  1. Bolo de Laranja da Vó Nair » Prato Fundo | Porque prato bom é grande e fundo

    […] as laranjas que usei para fazer as cascaquinhas? Pois bem, o sumo delas foram usadas neste lindo bolo! Esprema o sumo das laranjas, e Dadivosa […]

«

»